O que me faz pensar num Brasil onde as coisas funcionam

O jovem precisa buscar mais informações, saber qual sua importância individual e do seu grupo para o crescimento do País. O crescimento do Brasil é um vôo de galinha: voa um pouco e pára, vai mais um pouco e pára de novo; não é uma coisa constante. A juventude tem que se mobilizar, capacitar, quebrar paradigmas, acreditar que podemos fazer as coisas mudarem, sim. É fácil criticar a política, mas não participar dela. No final sobra o que há de pior, pessoas que querem usar a política em benefício próprio. Aqui, não teremos nunca uma revolução, então as coisas têm que começar a mudar de cima pra baixo. Eu acho que os jovens estão perpetuando cada vez mais o imediatismo, a futilidade, deixando de lado mais uma vez a chance de colocar a mão na massa para mudar. Mas eu fico feliz porque vejo alguma mudança. Cada jovem tem que acreditar que ele é fundamental para a mudança e que ele é um divisor de águas entre tudo o que já existiu até agora e o que vai ser daqui pra frente.”

Carlos Eduardo Sedeh, do provedor Samba, em entrevista publicada na CATHO em 04/07/2005 .

Uma resposta para O que me faz pensar num Brasil onde as coisas funcionam

  1. Grande irmão e amigo Eduardo,

    Gostei bastante desta parta da entrevista. Muitos reclamam e poucos fazem alguma coisa, põe a mão na massa.
    Acredito que a juventude precisa levar as coisas mais a sério, deixar de tanto deixa disso e começar a ser sujeito da mundaça.
    Refletindo nos meus dias de sol e noites de lua, penso que não posso e não podemos esperar mais, a hora da luta é agora, nos podemos e se quisermos venceremos.

    Não tem como esperar o jovem se tornar adulto para começarmos a influenciar ativamente em nossa sociedade.

    No entanto, para tudo isso precisamos pensar longe, planejar, tirar o imediatismo de nossa mente, tirar o individualismo, tirar o consumismo exagerado. Precisamos fazer que nossas brincadeiras de Universidades e Colégios torne pessoas e grupos em membros ativos das decisões políticas. sociais e econônomicas e nossa nação.

    Precisamos tornar realidade nossas brincadeiras de criança, buscando não só a festa e as risadas, mas buscarmos o verdadeiro objetivo, colocar alguem no centro das decisões e influenciar positivamente nos debates.

    Forte abraço fraterno e vamos a luta,

    Fábio Rodrigues.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: